A transferrina é uma proteína glicosilada transportadora de ferro, com um peso molecular de 79,6 kDa, que pode se ligar a dois íons de ferro (FeIII). Ela medeia o transporte de ferro no plasma entre o trato gastrointestinal, órgãos de armazenamento de ferro como o fígado e órgãos consumidores de ferro como o tecido hematopoiético. A síntese da transferrina ocorre principalmente no fígado e em pequenas quantidades no cérebro. Os níveis plasmáticos dependem da necessidade e da disponibilidade de ferro no corpo. (1)

Concentrações elevadas podem indicar deficiência de ferro, enquanto baixas concentrações podem ocorrer devido a inflamação, malignidade, desnutrição ou doença hepática crônica. Em níveis normais, a determinação da saturação de transferrina pode ser usada para rastrear hemocromatose. (1)

Até o dia 06 de setembro, quase 27 milhões de casos e 900.000 mortes devido à COVID-19 foram notificados à OMS. (2) Embora a doença seja diagnosticada quase igualmente em homens e mulheres, os casos graves ocorrem com mais frequência em homens, com maiores taxas de hospitalização, gravidade e mortalidade. O risco de casos graves de COVID-19 aumenta adicionalmente com a idade. (3,4)

Como a coagulação intravascular disseminada (DIC) também está associada à gravidade e ao desfecho da COVID-19, (5) McLaughlin et al. publicou um estudo com foco em encontrar ligações entre DIC, idade e gênero. (6)

Os autores analisaram diferentes bancos de dados e encontraram seis genes envolvidos na coagulação, expressos em diferentes níveis entre homens e mulheres e mudando com a idade. Quando comparados com a proteômica de células infectadas com SARS-CoV-2, esses genes não mostraram interação ou sobrerregulação devido ao novo vírus. (6)

Finalmente, a análise da proteômica das células infectadas revelou uma suprarregulação da transferrina associada ao SARS-CoV-2, estando mais elevada em homens e aumentando com a idade. A transferrina parece não interagir com as proteínas do SARS-CoV-2, sugerindo uma suprarregulação em resposta à infecção. (6)

Mais importante ainda, a transferrina não funciona apenas como uma proteína transportadora de ferro. A transferrina inibe a antitrombina e potencializa os efeitos da trombina e do fator de coagulação FXIIa por mecanismos independentes de ferro. Esses achados podem ser considerados uma das razões para os achados de hipercoagulabilidade e DIC na COVID-19, e a função da transferrina deve ser examinada mais detalhadamente. (6,7)

Para mais informações, visite o nosso site: grupobiosyskovalent.com.br

Referências